Gorjeta e Panela

Por Liane Rossi

Tive um gato que apertava os olhinhos pra mim, pra dizer que me amava. Criamos essa dinâmica, eu apertava os olhos pra ele e ele pra mim. O nome dele era Gorjeta.

Ele chorava na porta do meu quarto toda noite. Uma dessas noites coloquei na caminha dele a camiseta que tirei do corpo. Ele deitou em cima e parou de se lamentar. Criamos essa dinâmica. O nome dele era Gorjeta.

gorjeta e panela 1

Adoeceu uma vez e no hospital veterinário o médico perguntou se seria difícil coletar o sangue. Nunca tínhamos feito isso antes, mas achei que não seria. Ele encostou a cabeça na minha barriga e ficou imóvel . O médico ficou encantado. O nome dele era Gorjeta.

Ele se sentava em frente a mim e não desviava os olhos verdes melados, até adormecer, sentado, dormindo de tanto amor. O nome dele era Gorjeta.

Era um gato preto enorme, com o pescoço igual o do Mike Tyson. Faz seis anos que ele morreu e hoje eu precisava muito lembrar e contar dele. O nome dele era Gorjeta.

Era filho da Panela, que morreu a poucos meses. Eram do vizinho da outra rua e me adotaram. E foram meus e fui deles. O nome deles era Gorjeta e Panela.

gorjeta e panela 2

Podemos ler outro relato em: Por que o luto por animais de estimação, apesar de doloroso, ainda não é reconhecido? 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: