Meu funeral será uma grande festa…

Por Juliana Sawaia

Meu funeral será uma grande festa, pena que participarei deitado.

Li esta frase num livro onde o personagem principal, vítima de uma doença letal, opta pelo suicídio assistido. Ao passear pela narrativa tão desconcertante e bem humorada de quem escolheu data e hora da sua própria morte, me senti invadida por uma afinidade perversa.

Participar de qualquer festa deitado, não deve ser divertido mesmo.

 Cortejo-Fúnebre.241-600x427

Imagem: http://www.louletania.com/funerais-de-antigamente/

Em uma de suas frases, Marcello Marchesi, escritor italiano, afirma que o importante é que a morte nos encontre vivos. Sendo assim, todas as reflexões sobre estar ou não vivo residem no silêncio de sentir-se como tal. E, qualquer fragmento de inverdade, ainda que Naïf, neste hiato, deve ser respeitado e celebrado. Há, entretanto, um contrassenso hiperbólico. Ele, o tal suicídio, covarde, corajoso e solitário, torna-se um evento moribundo e humanizado, pela simples consciência camuflada no desígnio, quase coletivo, da hora de partir.

Me pego pensando nos espectadores melancólicos e intrometidos às voltas com sua impotência. Enquanto o protagonista organiza com saudosismo sua mala invisível, os coadjuvantes vestem seus sentimentos como quem escolhe uma roupa fúnebre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: