Parem esse enterro !

Quando recebi a notícia de que uma amiga muito querida havia sido diagnosticada com cancer mobilizei amigos e familiares dela. Era fatal.

Ela tinha plena consciência de tudo o que aconteceria dali por diante e do quanto seria importante a presença de todos.

Os hospitais com a prática do deixe morrer em casa, orientou os cuidados. Faz muitos anos.

Organizamos nossa vida em torno dela e, por mais estranho que pareça, a família se afastou. Não havia cuidado, afeto e nem ajuda financeira que se prolongou por meses, mas os amigos bancaram. Fizemos rifa, organizamos almoços, permanecemos ali.

Chegou a notícia da morte. Como havia um círculo por parte daqueles que ficaram ao lado , imediatamente fomos cuidar das burocracias.

Fizemos o velório que começou as 16h. A família chegou as 18h, em prantos. Pedi que se retirassem.

No dia seguinte o enterro seguiria as 9h, a família começou a chegar às 6h. Não havia choro deles, além da disposição em me olhar torto.

Quando o cortejo começou, familiares se puseram na frente de todos nós. Na metade pedi para parar e disse que havia algo errado. Não considerava certo que a família tendo se afastado durante todo o período da doenca, que não tivesse se disponibilizado se colocasse como os donos da morta.

Parei o cortejo, sentei no caixão é só sai quando foram embora.

Vale a pena pensar a respeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: